Total de visualizações de página

Translate

Google+ Followers

quinta-feira, 21 de julho de 2011

UMA PEQUENA CRÔNICA QUE ENVOLVE O CORINTHIANS

     Estava dando um pitaco no Facebook, pois também estou naquela mídia, e havia vários comentários de torcedores do Corinthians, cujo time está na cabeça do campeonato, com um punhado de pontos na frente do São Paulo, segundo colocado.     E o destaque foi o goleiro do Timão que teve uma séria luxação num dedo da mão e, esgotadas as substituições, foi para o sacrifício e jogou com o dedo destroncado.   Virou herói da torcida.
     Nisso eu me lembrei de um velho companheiro dos tempos de outro banco (neste atual estou a 30), meu amigo Alvelino Maschion.   Para começar, ele dizia que o nome dele é Alvelino porque eles moravam na roça e quando nasceu em casa, o pai saiu a galope para ir registrar o filho e ao chegar no Cartório disse que o tal iria se chamar Arvelino.  O cartorário teria corrigido:   Não se fala Arvelino, se diz Alvelino...   e o Avelino ficou Alvelino e pronto!
     Pois meu amigo Maschion que o povo simples de Navirai-MS dos anos 70 achavam que se chamava Bastião, aproveitavam e chamavam ele de Bastiãozinho, pois o tal não era nada alto.
     Falta dizer onde o Corinthians entra na parada.
     Meu amigo Maschion tinha uma tática que ele desenvolveu para a primeira abordagem a algum marmanjo que ele não conhecia.   A tática dele era chamar a pessoa de Corinthiano.   Dizia que era batata.   Ninguém ficava indiferente, pois se ele acertava, era recebido com calor humano de velhos conhecidos e quando errava, ouvia coisas como "não sou cachorro... bate na madeira e isola..." por aí vai.    O importante é que a prosa já estava engrenada e garantida.
     Muito axé, amigo Maschion, por onde anda neste mundão de Deus!!!

     orlando_lisboa@terra.com.br





sábado, 16 de julho de 2011

CRIANÇA TEM UM JEITO PRÓPRIO DE VER O MUNDO

     Esse jeito próprio de ver o mundo se revela nas pequenas coisas, nas pequenas atitudes do cotidiano.  A mãe lembra um pequeno fato do cotidiano, garimpado lá no fundo do baú da memória, quando eu fui beber água após o jogo Argentina x Uruguai com prorrogação e trouxe água para ela beber no sofá.     Enchi a caneca de água, bebi a metade e trouxe a outra metade para minha querida cara-metade.    Daí ela lembrou o fato:
    Pedreiro trabalhando em casa, pequena reforma, calor, sente sede e pede água.   A mãe enche um copo e a filha com seus cinco anos leva a água e no caminho dá uma paradinha e toma um tanto e depois entrega o que sobrou ao pedreiro.   
    A mãe viu e explicou para a pequena que não se faz isso.   Que não é certo.     Num outro dia da reforma, novo pedido de água e lá vai a pequena com o copo na mão, com todo cuidado e entrega a água ao pedreiro que não consegue beber tudo e deixa um restinho no copo.    Não foi nada.    A pequena ao trazer o copo de volta, dá uma paradinha e manda o que sobrou da água para a goela, afinal achou que não era certo beber da água "antes" de servi-la.   

     orlando_lisboa@terra.com.br                Facebook   Orlando Lisboa de Almeida    

terça-feira, 5 de julho de 2011

CITAÇÕES DIVERSAS DE UNS E OUTROS

     Eu estava lendo a Folha de SP da semana que passou e um dos colunistas fez um comentário sobre um colunista social bastante conhecido no passado, que atuava no Rio de Janeiro num jornal bem conceituado.   O colunista social era o Zózimo do Amaral.   Consta que o Zózimo era dado a dar umas "tiradas" como esta:  O homem após os cinquenta, da cintura pra cima é todo poesia e da cintura para baixo é só prosa.

     Ouvi de uma conversa com uma psicóloga da família, onde ela estava falando de amenidades e foi dizer de algo que era muito retrógrado e ortodoxo.   Citou o que seria um jargão da psicologia:  A linha de pensamento daquele autor é mais ortodoxa do que rótulo de Maizena...

     Meu amigo e colega de profissão, ele made in Mandaguaçu-PR, me perguntou se eu tuitava e eu disse que estou na rede em várias alternativas, inclusive como blogueiro, mas eu achei que não é minha praia ficar acompanhando os outros e sou um anônimo e não haveria conteúdo para ter alguém me seguindo...   E meu amigo disse que antes de abandonar o "tuiter", viu duas tuitadas muito criativas que foram publicadas:   Um relacionamento é baseado em duas coisas: beleza e paciência.      Em outra tuitada, explicou a frase: Se der certo, beleza e se der errado, paciência.

                orlando_lisboa@terra.com.br 

 

sábado, 2 de julho de 2011

SOBRE O LIVRO NIHONJIN - PREMIADO EM SÃO PAULO

       
     Em Apucarana-PR onde residi por seis anos na década de noventa, há a tradicional Festa da Cerejeira, sempre no inverno quando as cerejeiras lá plantadas ficam carregadas de flores, que encantam a todos.       Neste ano fomos lá ver a festa que estava de casa cheia e as cerejeiras muito floridas pois o frio foi grande e ainda está sendo e para essas plantas, mais frio, melhor.
     Na  festa, encontramos num dos Stands, o da UTFPr Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus de Apucarana, o autor do livro NIHONJIN. Oscar Nakasato, que é professor daquela instituição de ensino.     Comprei o livro que me veio autografado e li com muito interesse, já que o livro  é vencedor do Prêmio Benvirá de Literatura, dentre mais de 1.900 obras concorrentes.   O certame ocorreu em São Paulo, capital.
    O livro aborda a imigração japonesa no Brasil e as diferenças culturais entre os povos.   O advento da Segunda Guerra Mundial tornou o ambiente para o imigrante japonês no Brasil um tanto mais complicado e os conflitos em família aumentaram.     O autor, que tem doutorado na área das Letras, fez sua obra de estréia como romancista em alto estilo e arrebatou o prêmio com mérito.    
     Vale a pena ler o livro para conhecer um pouco mais desse passado que tem a ver com todos nós, já que o Brasil é uma mescla de povos e culturas e estamos em formação pois apenas meio milênio de colonização não é tanto tempo.    Ásia, África e Europa que o digam.   
        (Nihonjin, significa japonês)

                   orlando_lisboa@terra.com.br