Total de visualizações de página

Translate

Google+ Followers

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

O CHAPÉU DO DÉCIO (CONTOS DO BB DE ONTEM)

 

                           “LEVANDO O CHAPÉU” 

     Autor:   Engenheiro Agrônomo Orlando Lisboa de Almeida


     Meu amigo Newton Silveira, paulista de Marília, fez carreira no BB Banco do Brasil concentrada no Paraná, indo de Auxiliar de Escrita a Gerente Geral.   Faz um punhadinho de anos que ele está aposentado, depois de uma vida dedicada ao Banco.
     É uma grande figura humana, tendo sido um funcionário dedicado, espirituoso e de um alto astral fora do normal, o que lhe proporcionava grandes amizades que o tempo conseguiu preservar, como é justo.     Era o Newton chegado a dar uns trotes nos amigos e colegas de trabalho.   Nisso era e é um mestre.
     Lá pela década de 60 (não vou falar que é no século passado porque é sacanagem!), na pacata cidade de Umuarama-PR, lá estava o jovem Newton morando em república e trabalhando duro no setor de crédito rural da agência local.   Naquele tempo o setor era o Setop – Setor de Operações Rurais.
     Elegeu como vítima do trote, certa vez, o amigo Décio Trute, português bonachão, gente finíssima, que era avaliador (“avaluador” como se dizia na zona rural) autônomo que prestava serviço ao BB.
     Naquele dia, o Setop estava lotado de agricultores fazendo proposta de financiamento.   Tinha até lista de espera, tanta era a demanda.    O Newton lá com sua Olivetti, datilografando a proposta do cliente que estava sentado em frente à sua mesa.    Serviço a mil por hora.    Eis que nesse clima, chega o Décio – o portuga – esbaforido de tanto andar no sol pelos sítios abrindo porteiras, comendo poeira e coisa e tal.    O Décio chega, tira o chapéu e entra na cantina para  tomar uma água fresquinha.
     O Newton, mesmo apurado no serviço, viu um chapéu no balcão lotado de gente, levantou da mesa, foi lá, pegou o chapéu, amassou, colocou no seu cesto de lixo, pisou em cima umas três vezes e depois bateu as mãos como quem liquida uma tarefa.   Tava feita a sacanagem.
     Nessa hora ele tinha perdido o Décio de vista no meio da clientela.
     Quando acaba de fazer a proposta e libera o cliente que atendeu, este pede licença ao “seo” Newton, pega o chapéu no lixo, pede desculpa por achar que não era permitido largar o seu chapéu no balcão.   Disse que não conhecia certas manhas da cidade, da vida urbana...   se desculpando.
     Como se diz no truco:   desta vez o passador de trote “desbocou o facão”, trucou em falso.    Ou ainda, como diz o piracicabano, “ mordeu  a chumbada”.
     Se o Newton pudesse, de tanta vergonha, faria como o Pluto do desenho animado, que enfiaria a cabeça por baixo das pernas e sairia pela porta dos fundos, rasteirinho, com o rabinho encolhido.     Ou virar uma avestruz para enfiar a cabeça no chão, sumir do mapa.
     O Décio ficou sabendo do engano do Newton e tirou uma casquinha ao menos daquela vez que, decididamente, foi o dia da caça.


                                 

Nenhum comentário:

Postar um comentário