Total de visualizações de página

Translate

Google+ Followers

domingo, 11 de julho de 2010

TRÂNSITO VIOLENTO EM MARINGÁ


     Nossa cidade de Maringá é bem nova e, ao contrário da maioria das cidades brasileiras, foi planejada com o melhor da engenharia da época, pela década de 40.    Tanto a cidade é nova que muitos pioneiros que ajudaram a derrubar a mata para a construção da cidade ainda estão firmes e fortes circulando pela cidade e recebendo o respeito das novas gerações.  
     Temos amplas avenidas, com canteiro central e bem arborizadas e muito mais.    Atualmente com mais de trezentos mil habitantes e ao redor de duzentos mil veículos automotores, aí incluídos motos e carros, temos uma relação de habitantes por veículo de destaque.    Por outro lado, o que vemos no nosso dia-a-dia e nos noticiários do jornal com uma frequência enorme, é o número de acidentes na cidade.   Mais de cinquenta mortes em acidentes de trânsito neste semestre que recentemente terminou.    Eu assino o jornal O Diário de Maringá e não passam dois dias sem uma matéria ou carta à redação, tocando no assunto e lamentando perdas de vidas.
     Fala-se em conscientização das pessoas, mas o que se nota é que quem dirige conhece as leis de trânsito e sabe quais são as regras a seguir e os riscos a que expõe a si e aos outros, quando não segue as regras.  Excesso de velocidade é um dos problemas mais recorrentes.    
     Faz bem pouco tempo que, em visita a familiares na Flórida (USA), vi uma forma de disciplinar o trânsito que achei simples e interessante e que, acima de tudo, funciona.     Sem gastar um tostão a mais em relação ao aparato que nós temos por aqui, senão vejamos:     Por lá o trânsito é vigiado noite e dia por policiais que circulam com carros sem sirene e sem as características (e cores) de carros de polícia.    Se misturam ao trânsito e basta alguém dar um fora e eles agem e agem com firmeza, na forma da lei.      Acendem os faróis e ligam um sistema de luz interna no carro que passa a piscar, indicando que se trata da polícia e que o condutor infrator tem que parar.      Parar e esperar a ordem do guarda que costuma parar atrás e já puxa pela internet a ficha do carro (pela placa) e do motorista.    Quando aborda o motorista, já tem um perfil da pessoa, se é reincidente, se está com imposto em dia e por aí vai.    Infrator lá passa por uma dor de cabeça grande em muitos casos e comumente enfrentam a Corte.   Vão parar no tapetão e se ver com a justiça.   
     Então, o que nos falta para encarar um desafio destes?    Acho que a forma acima é uma forma bem rapidinha de "conscientizar" essa galera que pensa que carro é arma para sair matando os outros assim sem mais nem menos.   

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Orlando, é bem por aí! Também acho que só punição resolve, e precisaria de fiscalização efetiva e leis menos brandas. O pior é que quando a polícia age com maior rigor e aplica multas, vem uns iluminados dizer que em Maringá temos uma fábrica de multas.

    ResponderExcluir
  3. ah, eu acho q tem q dar cadeia... naum adianta, quem pega o carro bebado sabe que está colocando a si e aos outros em risco... eh um absurdo! pior eh saber q a gente pode tentar seguir todas as leis direitinho, mas estamos aí a mercê dos playboys armados com seus carros importados....

    ResponderExcluir